@soul-and-mind-dark: Alternative Universe

petitpettigrew:

Aquele não era o tipo de lugar em que esperariam encontrar ele, não mesmo. Quase podia ver a cara de descrença de seus amigos caso lhes contasse que tinha ido num bar noturno daqueles. Claro, o doce e pequeno Peter era muito inocente para fazer qualquer coisa de errado… Inocentes eram eles, que depois de nove anos com certeza não sabiam com que tipo de pessoa estavam lidando.

Ninguém conhecia Peter de verdade - e naquele lugar, tão longe de casa, era mais fato ainda. Estava a quilômetros de distância da Inglaterra e não tinha que se preocupar com absolutamente nada. Ninguém o conhecia, ninguém poderia julgá-lo e ninguém fazia nem ideia do pelo que ele estava passando.

A primeira coisa que fez ao chegar no bar foi pedir a bebida mais forte que tivesse. Quanto antes perdesse o controle de si, melhor. O que não era difícil já que sempre fora fraco com álcool. Se encostou numa das paredes, virando um copo de vodka como se fosse água. Observou as pessoas do local, que dançavam e conversavam animadamente. Acabara de decidir que odiava felicidade alheia.

Foi caminhando rente a parede, tentando não esbarrar em nenhuma das pessoas felizes ao se redor. Se vestia completamente de perto, o que de certa forma chamava mais atenção do que o desejado, mas ninguém ousou se aproximar. Foi até o palco do local, onde as dançarinas estavam. Precisava de um pouco de entretenimento. Observou sem dar muita bola á dança provocante das garotas, se perguntando que merda de vida elas deveriam ter para acabar daquele jeito, fazendo showzinho particular para coroas que provavelmente eram casados e não tinham vergonha na cara o suficiente de praticamente babar em cima das moças.

Mas uma loira lhe chamou a atenção. A princípio não sabia bem porque se interessou, mas logo percebeu que já a tinha visto antes, há alguns anos atrás. Mas… Poderia ser mesmo? Ela não era um fantasma ou algo assim? Sem perceber, ficou encarando ela, com os olhos fixos - o que provavelmente daria uma impressão errada das suas intenções.

 Outro dia, outra noite e Leo agia como se nunca tivesse dormido. Desde que o dinheiro fosse deixado aos seus pés, ela não parava. E quando encerrava seu “show”, era só por causa das outras meninas que tinham de entrar no palco também. O ambiente escuro, com luzes de cores excitantes, com um cheiro duvidoso de cigarro e sexo dominando o ar, era seu lar. O único lugar em que conseguia ser quem realmente era, nas noites em que mais precisava esquecer do mundo lá fora. Quando deixava de ser Leonora Parkinson, a contadora de um prédio importante de Illinois, para ser Leona Sparky, com longos apliques, maquiagem escura, roupas curtas e acessórios provocantes.

 Depois de mais uma performance errada, Sparky abandonava o palco, contabilizando as notas que foram parar no que lhe sobrara de roupas. Não precisava daquele dinheiro, mas ela decidira unir o útil ao agradável, algum tempo atrás: gostava de dançar e amava se exibir. Tirando dinheiro daquilo, então… Não via porque parar. Até que aquilo lhe fizesse mal, continuaria no rumo em que estava.

 Preste a voltar para seu camarim, enquanto agora procurava se livrar do que sobrara de purpurina em seu corpo, a loira notou uma aproximação até que direta demais. Não física, mas visual. Virando-se nos calcanhares, pouco se importando com o fato de estar sem sutiã, tentou identificar, de forma discreta, quem estava a olhá-la. Sorriu ao, mais ou menos, chegar à conclusão de que era um ruivo não muito distante do lugar onde ela estava. Pedindo a uma de suas assistentes, um blusão que ela tinha em mãos, a stripper jogou a peça por cima de seus ombros, o que lhe caíra como uma luva e quase lhe ficara como um vestido, se não fosse tão curto.

 — Posso ajudar em algo, rapaz? — Perguntou, com uma voz coberta de volúpia. Não por segundas intenções, mas porque o sentimento que envolvia aquele ambiente causava-lhe aquilo. Seus olhos azuis então esquadrinharam cada detalhe de feição captável de seu observador. — Ou está só pensando se me pergunta ou não quanto custa a hora?


jayflackrp começou a te seguir

jayflackrp:

Flack.

 Floco? Legal.

 É daqui mesmo?

(Source: soul-and-mind-dark)

petitpettigrew começou a te seguir

petitpettigrew:

"E-Eu não! Claro que não! E-Eu só—- Uh—- Por que você está aqui? Você não vai m-me fazer mal né?"

image

 Eu vim buscar a sua alma.

image

(Source: soul-and-mind-dark)


Please forgive me Father. I didn’t mean to bother you…

(Source: sleezemomsen)

jayflackrp começou a te seguir

jayflackrp:

A melhor parte disso tudo, menina, é que eu verdadeiramente não ligo pro que você vê ou acredita ver.

image

 E nem eu para um tiozão como você.

image

 Qual seu nome, falando nisso?

(Source: soul-and-mind-dark)

Acho que preciso de uma massagem.

obsessivechemistrydisorder:

Eu gosto delas. Fazer o quê. Não é necessário. Já está na hora de eu parar de ser covarde e enfrentar a situação em si. Mas eu volto de vez em quando por você. Eu vou sobreviver por você, como sempre foi.

Nem me fale em Calisto. Problema demais pra uma pessoa só resolver.

 Eu, ahn, tentei resolver esse problema na semana retrasada, quando o vi.

 Isso. Sobreviva. E venha pegar sua massagem antes que sua gatinha se revolte e vá caçar cama.

jayflackrp começou a te seguir

jayflackrp:

image

Menina, você devia ser comediante. Eu já disse que já paguei minha dívida com a sociedade. Não sou mais bandido, cansei dessa vida. E, não, não tenho uma mulher.

 Menina, não. Eu tenho um nome. Que é Srta. Parkinson pra você.

image

 Eu consigo ver nos seus olhos e na sua aura que está mentindo.

(Source: soul-and-mind-dark)


(Source: loveisbeyondalldreams)